ARTIGO

08/09 - Dia Mundial da Alfabetização

Falar e pesquisar a respeito da alfabetização no Brasil nos trás uma visão que impressiona, de tamanha a necessidade e importância da educação na vida de uma pessoa. Se você tem a oportunidade de ler este artigo, sem dúvidas não saberá como é viver sem isso, sem ter a compreensão do que acontece ao seu redor, assim como eu também não. Mas isso não nos tira a responsabilidade enquanto humanidade, em prezar pelo direito igualitário de todes.

O alfabetismo compõe índices econômicos, como a taxa de desemprego e de qualidade de vida tratada pela desigualdade. Ser alfabetizado vai além do processo de aprendizagem de saber ler e escrever. Se relaciona diretamente com o desenvolvimento do país, com o custo da vida plena, da cidadania, do desenvolvimento do individuo que fica limitado à negação do direito que lhe é inato. É o custo moral de um país.

Visando retratar a urgência do tema ao redor do mundo, a ONU (Organização das Nações Unidas) em parceria com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), criou o Dia Mundial da Alfabetização, comemorado, desde 1967, em 8 de setembro.

No Brasil, o analfabetismo vem desde o período colonial, quando escravos serviam apenas para trabalhar, servir. A educação era limitada apenas para pessoas de posses, brancas, que muitas vezes optavam por enviar seus filhos para estudar nas melhores escolas da Europa.

Há aproximadamente 20 anos, o Brasil assinou um pacto durante a Conferência Mundial da Educação, no Senegal, e comprometeu-se a reduzir pela metade a taxa de analfabetismo no país até 2015, mas esta questão continua a entristecer lares e a colocar em prova a educação dos brasileiros e do país.
Dos 139 países da américa latina que entraram no acordo, 39 cumpriram com a meta de reduzir pela metade o número de pessoas analfabetas até o ano de 2015, mas infelizmente o Brasil não foi um deles.

Pesquisas do IBGE mostram que as taxas de analfabetismo caíram em 2017, mas ainda se mantiveram acima da meta prevista para 2015. Sim, é importante retratar que houve uma melhora significativa, e exercer a gratidão perante ao esforço que é feito dentro de diversos programas que visam melhorar consideravelmente os números, como o Brasil Alfabetização e muitos outros.

As perguntas emergem na minha mente, e me questiono, como ser um cidadão pleno sem conseguir ler e compreender tudo que nos cerca? Como é possível que pessoas construam seu dia a dia com independência, estabeleçam seus objetivos, peguem suas conduções, tenham direcionamento, entendam os documentos que assinam, sejam protagonistas de suas próprias vidas, se autoconheçam e vençam todas as crenças que as limitam, e tudo isso sem acesso a alfabetização. Como os adolescentes poderão almejar futuros promissores tendo que lidar com o preconceito e a indiferença por não ter tido acesso à educação básica? Como a pessoas de maior idade poderão ser independentes e ter sua velhice tranquila sem ter clareza e acesso ao básico da tecnologia? Nossa população ainda sofre!
Entre todos os motivos que afastam as pessoas da alfabetização, está a crença de impotência, de incapacidade herdada da nossa história cultural. Essas informações deixam claro a importância de disseminarmos o olhar interno, de aprender sobre nossa história enquanto seres humanos, enquanto seres pensantes, abrindo espaço para novas compreensões e para o senso de humanização que todos nós clamamos.

É por isso que nós da PHASE optamos por honrar essa data. Trazemos no nosso propósito a importância de disseminar conhecimento, a importância da igualdade, da economia responsável, das possibilidades que podem fazer a diferença na vida de todes e de nosso planeta.

Há muito o que se dizer a respeito deste tema, há muito o que podemos desenvolver enquanto pessoas, precisamos voltar o nosso olhar para o todo, almejando que cada um de nós tenha espaço para contribuir com aquilo que de melhor traz em seu ser, e uma das formas de fazer isso é através da alfabetização, que abre espaço para compreensões, e para a expressão.

É PHASE de todos nós juntos contribuirmos de forma responsável para a igualdade de todes, em todos os aspectos da nossa existência. É PHASE de superarmos o passado, é PHASE de regeneração!

Pense, humanize, aja, sinta, equilibre, esse é mais uma da luta de todes nós.

Referências